Total de Fotos online: 109.664 em 1222 álbuns.

SEM FOLIA: Decreto municipal proíbe Carnaval em Araruama

Prefeita quer proibir qualquer atividade carnavalesca e, com recursos destinados para a festa, será reaberto o Hospital Casa de Caridade

Por Camillo Antunes

Postado dia 24/01/2017


SEM FOLIA: Decreto municipal proíbe Carnaval em Araruama




Prefeita quer proibir qualquer atividade carnavalesca e, com recursos destinados para a festa, será reaberto o Hospital Casa de Caridade


Notícia tirada integralmente do RC 24h.










A prefeita de Araruama, Lívia de Chiquinho, suspendeu o custeio relacionado à realização de festividades no período de Carnaval no município, no ano de 2017. O decreto 024/2017, de 20 de janeiro, proíbe mais do que isso, a partir da publicação do mesmo, está proibida a realização de festas, comemorações organizadas e desfiles de blocos carnavalescos nas vias e espaços públicos em todos os distritos de Araruama. A decisão da prefeita dividiu as opiniões de quem é a favor e contra a realização do Carnaval.
Na justificativa, Lívia alega a crise financeira e a dívida deixada pelo governo anterior, inviabilizam a realização da festa. Mais do que isso, com os recursos que seriam alocados para realização do Carnaval, a prefeita pretende utilizar para a reabertura e implantação do Hospital Casa de Caridade.
De acordo com o decreto, “A verba orçamentária destinada às festividades carnavalescas de 2017, alocada na Secretaria de Turismo, à Ficha 276, no valor de R$350.000,00 (trezentos e cinquenta mil reais), bem como, a importância alocada na Secretaria de Desenvolvimento Econômico à Ficha 295, no valor de R$42.000,00(quarenta e dois mil reais) serão remanejados para o FMS – Fundo Municipal de Saúde para aquisição de equipamentos para os três centros cirúrgicos do Hospital Casa de Caridade”.


NEM EVENTO PARTICULAR, NEM BLOCOS DE RUA


Além de proibir o investimento de recursos públicos em shows e eventos carnavalescos, Lívia não quer que seja realizada nenhuma atividade particular. Ou seja, nada de blocos, som alto e nem aglomeração de pessoas nas ruas durante os cinco dias de Carnaval. “Fica proibido aos estabelecimentos comerciais, o uso de aparelhos sonoros de qualquer natureza, ou qualquer instrumento musical que causem ruídos excessivos e que sejam direcionados a extrapolarem as suas dependências, causando aglomeração de pessoas em vias públicas, nas suas imediações e causando transtornos à ordem pública”.
E mais: “Os estabelecimentos comerciais em que sejam constatadas, durante o período de carnaval de 2017, qualquer ato de desordem ou ocorrência policial, terá suspenso imediatamente, o alvará de funcionamento”.
De acordo com o decreto, a prefeita não quer ter qualquer tipo de gasto com o Carnaval. “Diante da não realização de festividades por parte do poder público durante os cinco dias de Carnaval e da não disponibilização de atendimentos extras na saúde e na limpeza pública, bem como a não contratação e requisições de segurança pública, a realização de qualquer evento festivo em vias e espaços públicos, poderia causar grandes problemas ao próprio participante”, descreve o decreto.


MEDIDA DIVIDE OPINIÕES


Nas redes sociais, o decreto dividiu as opiniões dos internautas. Se por um lado há quem apoie a prefeita, por outro, há quem acredite que a medida é extrema e impraticável. Para a internauta Andréa Borba, o decreto proíbe a realização do Carnaval em todos os distritos e o centro da cidade.  “Imagine o prejuízo para Praia Seca, que recebe milhares de turistas nesta época do ano”, disse a internauta.
E mais: “Os estabelecimentos comerciais em que sejam constatadas, durante o período de carnaval de 2017, qualquer ato de desordem ou ocorrência policial, terá suspenso imediatamente, o alvará de funcionamento”.
De acordo com o decreto, a prefeita não quer ter qualquer tipo de gasto com o Carnaval. “Diante da não realização de festividades por parte do poder público durante os cinco dias de Carnaval e da não disponibilização de atendimentos extras na saúde e na limpeza pública, bem como a não contratação e requisições de segurança pública, a realização de qualquer evento festivo em vias e espaços públicos, poderia causar grandes problemas ao próprio participante”, descreve o decreto.


MEDIDA DIVIDE OPINIÕES


Nas redes sociais, o decreto dividiu as opiniões dos internautas. Se por um lado há quem apoie a prefeita, por outro, há quem acredite que a medida é extrema e impraticável. Para a internauta Andréa Borba, o decreto proíbe a realização do Carnaval em todos os distritos e o centro da cidade.  “Imagine o prejuízo para Praia Seca, que recebe milhares de turistas nesta época do ano”, disse a internauta.
Já para Vanessa Lopes Cunha, o motivo que levou a prefeita a vetar o Carnaval é justo. “Se a prioridade é a saúde, eu concordo”, postou. Para Athayde Motta, uma coisa é gastar em excesso sem transparência, outra é proibir o Carnaval. “É suicídio político e irreal. Araruama é uma cidade turística e como vai ficar o comerciante?”, questionou. A mesma opinião tem a internauta Sabrina Vieira. “Ela não querer gastar, tudo bem. Agora, impedir que outros façam seu Carnaval é ditadura!”.
Henrique Costa acredita que Lívia está certa.  “Primeiro os compromissos depois lazer. Quem não estiver satisfeito vai pular Carnaval em outro terreiro”, postou o internauta. Já Luisa Moreira, discorda. “Sempre achei que cada pasta tinha seu orçamento. Sabemos que a Prefeitura estava funcionando a trancos e barrancos. Entendo que redistribuir o dinheiro para melhor atender a cidade, em setores que realmente estão em baixas condições é o justo a se fazer. Mas, quando o Carnaval é promovido por terceiros, podendo gerar um lucro maior eu não vejo o porquê de vetar. Ainda mais em uma cidade movida, em pelo menos 50%, pelo turismo, acho um pouco rígido vetar alguns eventos já tão esperados e que somente fazem uso do apoio da prefeitura”, posicionou-se a internauta.
O internauta Flavio RV destacou no comentário dele que a Prefeitura tem responsabilidade de cuidar da segurança da população e dos turistas, com ou sem Carnaval. “Querendo a prefeita ou não, com decreto ou não, as pessoas virão para a orla, para as ruas e para as praças. Ela tem a responsabilidade de cuidar da segurança dessa gente, de Araruama e de fora. Administrar com dinheiro é fácil, difícil é fazer isso sem dinheiro. E dar as costas às milhares de pessoas é uma enorme irresponsabilidade. Uma coisa é não gastar com shows, com patrocínio a Blocos, com trios elétricos. Isso é até louvável. Mas esse decreto maluco não vai evitar que as pessoas de Araruama e os visitantes venham para a orla, praças e ruas da cidade”, postou o internauta.


Quanto ao decreto 024/2017, a equipe do Portal RC24h entrou em contato com a Prefeitura, mas não obteve resposta.




 



 




 

 

 

 

 

A matéria descrita acima é de inteira responsabilidade de seu autor, eximindo o site de qualquer responsabilidade.

Costela Suína

NoiteLagos.com entrevista Claudio Michael Völcker.

Próxima semana...


Veja os vídeos anteriores

Anunciantes


Parceiros


Facebook




Nosso QR Code


  Todos os Direitos reservados Noite Lagos Site Criado por Fernando Moraes
Fernandomoraesn@gmail.com